terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Que venha 2014 + A história do Champanhe

Queridos leitores, 

é com imensa alegria e, ao mesmo tempo, aperto no coração que anunciamos o fim de mais um ano. Pessoalmente, um ano de muitas conquistas para nós, autoras deste blog, a começar por nossa participação no Intercâmbio Estudantil Projeto Córdoba, por nosso bom desempenho escolar, pelo aumento e conservação das amizades, pela saúde sempre em alta e por tantos outros motivos, entre eles, as risadas e o bom de humor diários! Ah, como eu poderia me esquecer? Ano em que o blog deu uma crescida significativa, ganhando diversos seguidores em um novo segmento: a página no Facebook! Queremos agradecer de coração a participação de cada um de vocês que está aí por trás da tela do computador e que em 2014 possamos estar ainda mais próximos de vocês! 
  Nós (Maria Siry e Nat Magal) desejamos a todos um Feliz 2014, repleto de paz, amor, saúde, felicidade, dinheiro, harmonia, prosperidade, sucesso,sorte e, é claro, muitas, mas muitas risadas!!! 
  Para deixar o dia de hoje ainda mais especial, me inspirei na série de reportagens do caderno Donna do jornal Diário Catarinense, do Grupo RBS e trarei para vocês curiosidades e um pouquinho mais da história de uma das bebidas mais sofisticadas de todos os tempos, que,de quebra, completou 100 anos de existência no Brasil agora em 2013. 
Capa do DC que serviu de fonte

  Para começar, devemos desmentir um mito que rola solto por aí: o de que qualquer espumante comum é Champanhe. Somente as bebidas produzidas na região francesa de Champagne que podem se chamar assim, de resto, é tudo espumante! Além disso, o espumante é subdividido em quatro grupos:

  • Espumante: quando não há adição de gás artificialmente.Geralmente produzido com uvas específicas para fabricação de vinhos finos.
  • Frisante: aquele que fermenta somente uma vez, obtendo logo o gás carbônico. Característica principal: vinho menos gaseificado e, portanto, quase sem espuma.
  • Filtrado doce: de sabor docíssimo e pouco complexo, é elaborado a partir de uvas americanas, digamos que é o espumante da nossa terra, da nossa gente. O que acontece é que o gás carbônico presenta na mesma é inserido de maneira artificial.
  • Sidra: preparada a partir da fermentação do suco de maçã. Muito apreciada na Inglaterra.
    E aí, agora já não vamos mais confundir e "pagar mico" na hora de pedir um espumante, enquanto que, na verdade, desejávamos tomar um Frisante, né? Hahahaha Sempre bom lembrar que, na verdade, o que importa é se divertir sem frescuras! 
   Agora que já vimos os tipos desta bebida, devemos voltar um pouco no passado para ver quem inventou esta belezura. Quem a trouxe para o Brasil foram os italianos, fixando-se principalmente no estado do Rio Grande do Sul e, posteriormente, aqui em Santa Catarina, onde hoje funciona as vinícolas de Pericó e Santa Augusta que fecharam em 2013 com a venda de 400 mil garrafas do líquido. É, não é mole, não!
Monge Dom Perignon
Na verdade, a ideia original surgiu foi do povo francês, mais especificamente do monge Dom Pierre Perignon, no ano de 1670, quando percebeu que muitas garrafas de vinho branco produzidas na região estouravam depois de prontas. O monge, esperto que só ele, percebeu que, mesmo após de pronto, este tipo de vinho voltava a fermentar e gerava gás carbônico. Um belo dia, o corajoso Dom Pierre resolveu provar o vinho nesta condição e, para surpresa de todos, se deparou com um sabor muito gostoso, com toques de efervescência. O povo francês ficou prosa com a descoberta e passou a produzir a bebida em maior escala e batizando-a de Champagne, devido a região que foi descoberta. 
O glamour do espumante só veio 200 anos depois, na mesma região francesa, quando a dona de casa Barbe-Nicole Clicquot perdeu seu marido que estava enfermo devido à febre tifoide e que, deixou pouca coisa à viúva, apenas a pequena adega fabricante de champanhe. Barbe arregaçou as mangas e foi cuidar do negócio da família, aprimorando a técnica de produção do champanhe, criando a técnica Champenoise, que é utilizada até hoje na fabricação dos melhores champanhes do mundo, inclusive o famoso Veuve Clicquot, que leva o nome da ex-dona de casa e então empresária. Barbe tratou de fazer com que seus champanhe ganhasse as casas e restaurantes de todo o mundo, enviando caixas do produto para os solados da Rússia e da Polônia e estes, por sua vez, trataram de promover ainda mais esta coisa deliciosa que ganhou o mundo!
   Todos nós sabemos que, se tomamos espumante num copo de plástico, ele perde todo brilho e até sabor, né? Afinal de contas, ele é dedicado às ocasiões especiais, que requerem um brinde, por exemplo. Para tanto, mostraremos abaixo os quatro tipos de taças mais conhecidos para se tomar o espumante:
- Maria Antonieta: reza a lenda que esta taça teve como molde os seios da imperatriz Maria Antonieta. Esta taça foi super usada no mundo todo até a década de 60 e ficou muito famosa no cinema. Apesar de ser super popular, já sabe-se que não é a mais adequada para apreciar a bebida, já que seu formato raso e de boca larga não aguenta por muito tempo a as borbulhas e o aroma da bebida.
Taça do tipo Maria Antonieta
- Flute: o nome vem do francês flauta e é o formato mais usado hoje em dia, já que garante qualidade a qualquer tipo de espumante. É estreita e funda.
- Tulipa: alongadas, altas e com boca fechada. Seu formato favorece a liberação dos aromas.
- Brasileira: é a caçula, criada em 2009 pela Associação Brasileira de Enologia, adaptando-se às características do produto nacional, tendo formado que favorece a liberação de aromas. 
  Para finalizar, daremos dicar de harmonização da bebida com as comidas:
--> Sua leveza faz com que case com comidas simples. Aposte em saladas e canapés.
--> Sua acidez e borbulhas faz com que se harmonize com coisas pesadas. Aposte em churrasco.
--> Sua secura não vai bem com os doces, para servir espumante com doce, aposte no tipo e marca Moscatel.    
   Lembre-se sempre de que qualquer momento combina com espumante, já que a mesma é uma bebida versátil! Também não se esqueça do bom e velho slogan: "Se beber, não dirija!"  Portanto, cuidado com os excessos e boas festas! Um brinde à 2014! 
Um abraço e, até ano que vem,
Maria Siry e Nat Magal 


OBS: A responsável pela escrita da história do champagne foi a Maria Siry e os votos que desejamos a vocês é de tanto Maria, quanto Nat ;) 
FONTE: - Diário Catarinense, domingo 29 de dezembro de 2013, caderno Donna, páginas 12 até 17. 

domingo, 29 de dezembro de 2013

Perfil: Vó Dalva

Ooi pessoal! Tudo bom? Acho que todos estão bem, né? Afinal de contas, com estes dias lindos que tem dado em Floripa e com esse clima de final de ano, é para estar tudo na maior felicidade mesmo! 

  Hoje vocês lerão o último Perfil do ano (mas podem ficar tranquilos, ano/semana que vem tem mais! hahaha) e, para fechar com chave de ouro, entrevistamos a querida e guerreira avó da Maria Siry, que com seu jeito doce e bondoso passou por certos problemas de saúde neste mês de dezembro, mas que agora já está em casa, se recuperando pouco a pouco! Portanto, para desejar um ano de 2014 repleto de saúde para a Dona Dalva Maria, ou Dalvete, Dalvinha, Dalva Mary (como queiram hahaha), vejam o que ela nos contou: 
Dalvinha (ao centro) ao lado de Ivanete e Angela (sua nora) no show do Roberto Carlos, em abril passado. 
Nome completo?  Dalva Maria Macuco Sirydakis
Qual teu signo?  Libra
Qual teu sonho? Que Deus continue me dando saúde e força.
Qual teu pior defeito? Não saber dizer não.
E a melhor qualidade? Bondade.
Qual teu filme preferido? “Os dois filhos de Francisco” e “Nosso lar”
E o que menos gosta? Não gosto de ficção científica.
Qual tua estação do ano preferida? Por quê? Primavera, porque tudo está florido.
Tens animais de estimação? Quantos? Sim, um canário e um coleirinha muito cantantes!
Qual animal tu mais gostas? Urso polar é muito bonito!
Qual é o tipo de música que tu gostas? Música estilo Roberto Carlos.
Que tipo de música que tu não gostas? Funk e Eletrônica.
Música preferida? “Detalhes” – Roberto Carlos
Qual tua comida preferida? Arroz, feijão e bife.
Qual comida que tu não gostas? Frutas em geral.
Bebida favorita? Água.
Tens algum ídolo? Qual? Por quê? Meu pai e minha mãe porque me deram uma criação boa que eu soube aproveitar. 
Qual tua cor favorita? Branco.
O fofo urso polar, animal favorito de Dalva
   Legais os gostos da Dalvinha, né? 
Ahh, que pena! Quando vai ter Perfil Risadas de novo? Sóooo no ano que vem! Que nada, domingo que vem já estamos de volta! hhahahah 
Abraços, 
Maria Siry e Nat Magal 


quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

As cores do ano novo

  Olá!
  O ano de 2014 vem se aproximando e é só falar em ano novo pra gente lembrar de réveillon, festas, fogos, pular ondinha... Tem também aquela tradição de usar uma determinada cor de roupa pra trazer um determinado "espírito" pro novo ano. Se vocês ainda não pensaram em que cor usar no ano novo, confiram as dicas:

- Branco/Prateado: a cor clássica. Pra muitos, réveillon é sinal de branco. Essa cor significa paz e renovação.

- Verde: já ouviram falar que grilo verde traz esperança? Pois é justamente essa a mensagem da cor verde: esperança, fé.
                                  

- Vermelho: essa é famosa por ser a cor do amor! Quem se veste de vermelho está querendo chamar novas paixões para o próximo ano.
                      

- Amarelo/Dourado: dizem que o amarelo atrai din-din, grana, pila. Se é verdade eu não sei, mas pra quem tá precisando de dinheiro o jeito é investir nessa cor para pular as ondinhas.

- Azul: o azul é sinônimo de espiritualidade. Se o foco do próximo ano é ser mais tranquilo e calmo, essa cor é a indicada.
 

- Rosa: o rosa é sempre relacionado a paixão, mas quem investe em roupas dessa cor para o ano novo, atrai amor próprio e acréscimo na sua autoestima. 

- Laranja: se o seu 2013 foi muito baixo astral, use laranja no réveillon para atrair boas/muitas energias para o ano quem vem vindo.

- Roxo: deixei essa cor por último pois é a que eu desejo que todos usem, já que segundo as más (ou boas) línguas ela traz muitas risadas e bom humor!



E aí, desempatou? Que cor vais usar? Comente!

Feliz ano novo,
Nat Magal

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Votos de Natal e Invisível RL

  Hoje é 25 de Dezembro, Natal!
  O Risadas Lau deseja que o espírito natalino se propague em todos os corações. Espalhar paz, alegria, amor e muitas risadas são os nossos votos para todos vocês, queridos leitores! 
  Aproveitando o embalo, O Risadas Lau, em comemoração ao final deste ano repleto de alegrias e realizações, chamou alguns amigos para um coquetel de fim de ano que de quebra, contou com um amigo invisível pra lá de especial. Confira:



Um abraço especial da lúdicas:
Nat Magal e Maria Siry

Da esquerda para a direita: Siry, Lúdica, Amanda, Camilla, Lipe, Magal e Rafinha

domingo, 22 de dezembro de 2013

Perfil: Gabi Kaiana

 Oi, pessoal!
Neste domingo especial, de clima mágico e bem pertinho do Natal, vamos publicar um Perfil com uma moça muito doce, inteligente e simpática: Gabriela Kaiana Ferreira, a professora de física mais fofa que já tivemos! Deem só uma olhada no que ela tem pra nos contar:
Gabi curte e banda de folk indie Beirut!

Nome completo? Gabriela Kaiana Ferreira 
Qual teu signo? Câncer 
Qual teu sonho? Viajar pelo mundo com dinheiro no bolso e uma mochila nas costas. 
Qual teu pior defeito? Acho que a falta de controle sobre minha ansiedade é o que mais me incomoda. 
E a melhor qualidade? Paciência. 
Qual teu filme preferido? “Le Petit Nicolas”, “Et si on vivait tous ensemble” e “Les Fabuleux Destin d’Amélie Poulain”.
E o que menos gosta? Filmes de horror, com perseguições aterrorizantes e dor. 
Qual tua estação do ano preferida? Por quê? Inverno, porque amo o frio. 
Tens animais de estimação? Quantos? Uma gata. 
Qual animal tu mais gostas? Pássaros. 
Qual é o tipo de música que tu gostas? O que me abre o sorriso, me deixa em transe e me faz ir longe são o indie e o folkpop music do Beirut, do Kings of Convenience e de Cat Power, e a variedade de instrumentos de Yann Tiersen. Gosto bastante do rock de diferentes épocas como The Beatles (anos 60), Red Hot Chili Peppers (anos 80) e Kings of Leon (de 2000). É o que sinto com a música. 
Que tipo de música que tu não gostas? Sertanejo e pagode não me envolvem.
Música preferida? Difícil demais escolher uma. Elephant gun e Sunday Smile (Beirut), Me in You (Kings of Convenience), Manhatan (Cat Power), La Valse d’Amelie (Yann Tiersen), Eleanor Rigby (Beatles), Queen of Venice (Red Hot Chili Peppers). 
A gata fofa, que é o bichinho de estimação da Gabi!
Qual tua comida preferida? Queijo. 
Qual comida que tu não gostas? Ervilha. 
Bebida favorita? Schwepps Citrus. 
Tens algum ídolo? Qual? Por quê? Não. 
Qual tua cor favorita? Verde.
  Esperamos que tenham gostado de conhecer um pouquinho mais sobre a Gabriela! 
Abraços, 
Maria Siry e Nat Magal :) 

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Os 7 Pecados Capitais: Gula

   "Bebida é água!
Comida é pasto!
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?"
Comida - Titãs 
Oi gente, tudo bom?

Continuando com a nossa série de textos sobre os sete pecados capitais, daremos espaço hoje para aquele pecadinho bem comum dessa época de fim de ano, que até mesmo os mais certinhos na alimentação acabam cometendo. Já sabem de qual pecado estou me referindo? Acho que sim, né? hahaha A Gula
Natal e Ano-Novo, datas praticamente impossíveis de se comer pouco: é Chester, Tender, Arroz, Salada, Sobremesa, Bebida... E por aí vai, né? Todo mundo vai para as casas de praia, se reúne e... Come, come, come e... come! Vai dizer que não é mais ou menos assim? Precisa ter muita disciplina e foco para não cair de cara nessas tentações! 
  Desde os tempos mais remotos o ser humano arranja alguma forma de se alimentar, seja ela a caça, a pesca, a coleta ou no caso dos dias de hoje, a compra! Neste mundo da oferta e da procura, onde todos querem lucrar a qualquer custo, uma das coisas que tem sido pensada é a venda de comidas em grande quantidade, para obtenção de lucros, como eu disse anteriormente. Para tanto, as comidas tem de ir além de saciar, tem que deixar as pessoas com aquela sensação de fastio e, os supermercados, restaurantes, fábricas e outros estabelecimentos comerciais neste âmbito, optam por tornar a comida com uma aparência bonita, atrativa e que dê literalmente 'água na boca'! Basta ver aquele hambúrguer, com batata frita, queijo, ketchup, um copo de refri do lado e pronto, a pessoa já fica com vontade de comer mesmo sem estar com fome! 
   É neste contexto que surge a gula, a busca incontrolável por comida e bebida. Para que entendamos a gula, devemos primeiramente diferenciar a FOME da VONTADE DE COMER:
- Fome --> necessidade de comer, causada pelas contrações do estômago vazio.
- Vontade de comer --> desejo de consumir certo alimento ou bebida somente pela aparência agradável do mesmo. 
Portanto, a gula nada mais é do que a vontade excessiva de comer! 

  Para os cristãos, este pecado tem relação com o egoísmo, pelo fato de o guloso querer ter sempre mais e mais, não se contentando com o que tem, ou seja, uma forma de cobiça. No entanto, existem culturas que não consideram a gula como um pecado, já que para estas o excesso de comer é um sinal de status. 
  Outros, ainda, veem a gula como uma consequência de situações de insatisfação, solidão, depressão... Já que quando estamos "tristes" tendemos comer uma barra de chocolate inteira só para amenizar o nosso problema momentâneo. E de barra de chocolate em barra de chocolate só ganhamos mais quilos e aquele problema da tristeza não é resolvido. Aí entra outro fator complicadinho posterior a esse consumo exagerado de algum alimento: a culpa! A pessoa entre num estado de insatisfação pessoal e com o mundo, sentindo frustração e mais tristeza ainda. A gula tem sido objeto de estudo de muitos psicólogos e outros estudiosos do comportamento humano pois atua como um sinalizador que avalia o momento que o indivíduo está vivendo, o que tem de ser mudado na vida do mesmo para que esta se torne mais agradável. 
  Para finalizar, vamos dar aquela resumida na Gula: é um comportamento compulsivo quando se tem uma insatisfação consigo mesmo e é uma tentativa de encontrar um remédio para a angústia momentânea, o que acaba na louca busca pelo objeto de prazer comida! 
Vai dizer que eles não fazem o cupcake todo bonitinho de propósito só pra gente ficar com vontade de comer?

  E aí, ficaram meio assim com todo esse conceito de gula? Não precisam se preocupar: aquela tardezinha chuvosa em que a gente vai pra frente da TV e come bastante porcariadinha nem sempre significa tristeza, depressão ou angústia. Ufa, isso pode ser só um simples relaxamento e preguiça. Epa, mas a preguiça não é um pecado também? Hahaha Não vamos ficar loucos, né? Afinal de contas, somente em excesso que as coisas fazem mal ;) 
Essa é reflexão de hoje!
Maria Siry ;) 



FONTES: - Conceito de Gula. Disponível em: http://www.brasilescola.com/religiao/pecados-capitais.htm 
http://www.conhecimentosdopai.com/2013/04/7-pecados-capitais-2-gula.html

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Preguiça: defeito ou qualidade?

  Olá!
  Mais uma postagem da série dos 7 Pecados Capitais. O tema de hoje é a preguiça, que divide opiniões: seria ela um pecado ou uma graça? Um defeito ou uma qualidade?

  Eu sempre ouvi dizer que preguiça era uma coisa ruim. Não tão ruim quanto ser avarento ou invejoso, só ruim. Talvez as pessoas tratem a preguiça como um anti-herói: não é vilão mas também não e herói, digamos que seja o oposto do herói, ou seja, o oposto da qualidade, uma "anti-qualidade", sem ser necessariamente um defeito. Deu pra entender? 

  É que bem antigamente, muitos anos atrás, a preguiça não era considerada um pecado, uma coisa ruim. Ao contrário, era tida como uma virtude já que todos mereciam descansar um pouco, ter paz, sossego... Quem conseguia se "desligar" do mundo só ganhava pontos positivos.

  Na Idade Média, a preguiça era constantemente confundida com a depressão, pois aquela famosa "vontade de não fazer nada" típica da preguiça e a vontade de não existir, a sensação de que não se faz a menor falta no mundo, que permeia a depressão, eram erroneamente confundidas. 
  Mas quando as coisas começaram a mudar? Bom, eis que explode a revolução industrial e, apesar de a humanidade começar a divergir melancolia e depressão de preguiça, outros valores também são incorporados na nossa sociedade, entre eles o trabalho. E quem é a inimiga número 1 do trabalho? Isso mesmo, a preguiça!
  Nessa época ainda, de grandes transformações, as religiões protestantes são amplamente difundidas, entre elas o Calvinismo, que prega que não há problema nenhum na acumulação de capital, desde que esta seja fruto de trabalho. 
  Com os burgueses no comando dessa nova fase da nossa história, a preguiça não poderia ter outro fim se não se tornar um pecado. Já que agora era preciso trabalhar para garantir o sustento da família - e para além disso, garantir o dito "progresso" da humanidade, transformando campo em cidade -, com homens, mulheres e crianças pegando no pesado em fábricas 16 horas por dia ou mais, quem teria tempo pra tirar a sesta? Aliás, a minha interpretação da expressão "pecado capital" é clara: são pecados que assolam a vida nas cidades grandes, nas metrópoles, nas capitais, pois no campo a vida é diferente, mais tranquila...
Homer Simpson: um baita dum preguiçoso
  É claro que também existe o outro lado da preguiça. Quem nunca preferiu ir passar o fim de semana descansando da rotina no campo ao ir ajudar crianças carentes trabalhando como voluntário num bazar beneficente? Ou melhor, não preciso nem ir tão longe, basta que voltemos alguns meses atrás quando aconteciam os protestos reivindicando uma melhoria na mobilidade urbana: quem preferiu ficar em casa por mais pura preguiça? 
  Portanto, a preguiça tem dois lados: o bom e o ruim. Ela é boa quando nos beneficiamos dela, como quando tiramos um cochilo depois do almoço; é ruim quando prejudicamos a nós mesmos e a quem está em nossa volta por conta dela, por vezes sendo até egoístas.


Voltamos em breve com mais um pecado da série 
7 Pecados Capitais. Só aqui, no Risadas Lau!

Nos vemos,
Nat Magal

domingo, 15 de dezembro de 2013

Perfil: Kleber Briz

Olá!!
No perfil desse domingo, trazemos a entrevista de alguém muito especial e querido por todos, o famoso Briz! (Também conhecido por Kleber, o estagiário de física).
Confira:

Nome completo? Kleber Briz Albuquerque Qual teu signo? Sagitário Qual teu sonho? Ter uma família grande, com uns 5 filhos Qual teu pior defeito? Tem alguns assuntos que eu sou teimoso igual uma porta. E a melhor qualidade? Trabalho bem em equipe. Qual teu filme preferido? Muda toda hora, mas um dos que eu mais gosto é o Plano Perfeito
Kleber ap(r)ontando
E o que menos gosta? O gênero de terror está todo nessa área, não porque eu tenho medo, mas porque acho muito bobo Qual tua estação do ano preferida? Por quê? 
Verão, tempo de não fazer nada

Tens animais de estimação? Não, mas já tive um cachorro Qual animal tu mais gostas? Cachorro Qual é o tipo de música que tu gostas? Hip-Hop Que tipo de música que tu não gostas? Sertanejo Universitário Música preferida? Outra que muda toda hora, mas uma das minhas favoritas atualmente é Power Trip - J. Cole Qual tua comida preferida? Lasanha Qual comida que tu não gostas? Fígado Bebida favorita? Suco de Laranja
Qual tua cor favorita? Amarelo Tens algum ídolo? Qual? Por quê? Sim, meu pai. Eu e meu pai não conversamos muito, é meio que o nosso jeitão mesmo, mas ele sempre me passou uma ideia através das atitudes dele que tento seguir e que tem dado certo: Fazer o que você gosta e sabe, é o que você precisa para ser feliz, o resto é consequência. Ele faz isso tão bem que eu admiro de mais isso.

Gostaram do perfil com o Kleber? 
Fique de olho que o próximo pode ser tu!

Hasta,
Nat e Maria

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Os 7 Pecados Capitais: Inveja

Pessoal, 
seguindo com a série sobre os sete pecados capitais, lançada semana passada aqui no Risadas Lau, venho publicar um texto falando da Inveja. 

  Desde muito pequena sempre aprendi, principalmente com minha mãe, que o sentimento de inveja é algo muito feio e ruim, assim como o ódio e a raiva, por exemplo. Ruim porque desgasta a pessoa que o detém, ataca a pessoa com a qual o indivíduo sente inveja, traz uma má convivência e até mesmo um "clima chato" para aqueles que tem de conviver com esse pecado sempre. 
  Mas afinal, o que é a tão falada inveja?
A inveja é um dos sete pecados capitais e consiste no sentimento de sempre achar que os outros possuem coisas melhores que si mesmo e, com isso, desejar o pior para esse "outro", só porque ele possui aquilo que a pessoa não tem. Um exemplo é quando um funcionário, em uma grande empresa, se destaca muito por seu trabalho, sua frequência, sua pontualidade e tudo mais, enquanto isso, um outro funcionário não alcançou tanto prestígio quanto o primeiro e, portanto, sente inveja do outro, tendo atitudes que criam um clima de tensão no próprio ambiente de trabalho!
Ilustração do exemplo de inveja no ambiente de trabalho. Eita incômodo! 

  Existem pessoas que são invejosas por natureza e tem o prazer em agourar tudo o que o outro conquistou (não importa quem seja o outro) e existem aquelas que sentem inveja em dado momento, uma "invejinha branca, que não faz mal" conforme o palavreado popular. Este caso é muito comum entre irmãos ou amigos. Como quando uma pessoa exibe um novo corte de cabelo e uma pessoa amiga dessa outra pessoa  faz qualquer comentário negativo só porque sentiu inveja. 
  A sugestão de melhoria para acabar com a inveja (ou pelo menos diminuir a intensidade da mesma) e ter uma qualidade de vida maior é olhar um pouquinho para si mesmo e se valorizar, pensando em antes de desejar aquilo que é do outro, valorizar seu próprio jeito e suas coisas. Uma outra dica boa é não se comparar com o outro, porque isso também pode gerar inveja, mas sim, pensar que cada um é único e recebe as suas próprias oportunidades, sem ter que querer sempre o que pertence ao outro!
Fitinhas do Bonfim, Trevo de 4 folhas, Pimenta e Olho grego são alguns dos instrumentos para afastar  "olho gordo" (vide pessoa invejosa)

  E aí, gostou da dica de hoje? Se você é daqueles super hiper mega invejoso, tente trazer essas dicas para a sua vida! Vais ver que viverás bem melhor! Aproveite esse clima mágico de fim de ano e comece a mudança interna ;)
Beijo, 
Maria Siry  

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Treinamento Funcional: a cara do verão!

   Pessoal, a Dupla Lau, antena que só ela, resolveu pesquisar, se informar e trazer os benefícios da mais nova febre que está atingindo homens e mulheres que buscam um corpo definido e saudável. Estou me referindo aos treinamentos funcionais, muito comuns nas principais cidades do Brasil. Será que quem o pratica tem o mesmo aproveitamento que alguém que faz musculação? É o que veremos!

   Afinal, o que é o treinamento funcional? É uma sequência de exercícios que treinam o corpo para exercer as funções que ele foi originalmente destinado a fazer, como correr, andar e as demais tarefas do dia-a-dia. Na maioria dos movimentos, o peso fica por conta do próprio corpo que acaba virando uma espécia de resistência aos exercícios, sendo que em outros movimentos são acessórios como a bola suíça, as faixas elásticas e o minitrampolim que entram em cena. 
   Muitas vezes, une o trabalho de diferentes habilidades num mesmo exercício, como quando se trabalha força, equilíbrio e flexibilidade de uma só vez! Ahh, vale ressaltar que qualquer um pode e deve fazer o treinamento funcional, basta ter um aval médico caso a pessoa tem qualquer probleminha de saúde. Uma dica importante é não sair por aí inventando coisa, mas sim,seguir os conselhos e o acompanhamento de um educador físico, né? 
  Veja agora os principais benefícios desta prática:
--> Podes obter os músculos fortes de uma só vez, digo, após executares um só exercício;
--> Melhora a postura;
--> Ameniza dores nas costas;
--> Trabalha o corpo todo de uma só vez;
--> Exerce um trabalho cardiorrespiratório;
--> Te traz equilíbrio e coordenação motora;
--> Aumenta tua flexibilidade;
--> É um treino mais dinâmico que a musculação.
O treinamento funcional é um forte aliado dos idosos!

  Bom, respondendo à nossa pergunta inicial, temos que o treinamento funcional, segundo especialistas do site www.minhavida.com.br, tem sim o mesmo aproveitamento que a boa e velha musculação! Agora cabe a você escolher qual mais lhe convém! Eu ainda sou do time das tardes na academia de musculação! Hahaha
Muitos beijos, 
Maria Siry :) 
  
Fica ligado: O programa Bem-Estar da Rede Globo (no ar de segunda a sexta às 09:55h) do dia 13/12 (essa sexta) vai ser ao vivo da praia de Jurerê Internacional, na nossa linda Floripa, mostrando uns exercícios de treinamento funcional. Não perca! Ah, também dá de ir até lá e fazer alguns exercícios junto da produção do programa, é gratuito! 
FONTE: - http://www.minhavida.com.br/fitness/galerias/16653-conheca-os-beneficios-do-treinamento-funcional-para-entrar-em-forma/8

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Recomendo: Histórias Cruzadas

  Boa tarde, queridos! Como estão passando este lindo e especial mês de dezembro? Espero que muito bem e com todo o encanto/magia do clima natalino!

  Me respondam, em pensamento, a seguinte pergunta: Já viste o filme "História Cruzadas"? Se a resposta for sim, aposto que amaste! Já se a resposta for não... Não perde tempo e vai até a videolocadora mais próxima da tua casa e aluga para ver! Sério, gente, o filme é muito, mas muito bom mesmo!! Eu nunca tinha visto, achava que nem tinha nada demais neles, as pessoas me recomendavam, mas eu achava que nem valia a pena ver, não sei por quê! Até que, Nat Magal, compra este DVD para presentear sua amiga secreta do amigo invisível de nossa sala de aula e eu fico com aquela vontade de ver. Daí depois disso, acabo por alugar na videolocadora e vejo! 
  O filme, baseado no best-seller de Kathryn Stockett, se passa no estado americano do Mississipi na década de 60 e conta diversas histórias interligadas, porém, o tema central é a condição do negro naquela época: como era visto o negro? Por que eles deveriam ser tratados de forma diferente, quase desumana? Por que eram considerados simples empregados e sem direitos? Perguntas como estas passavam pela mente da brilhante personagem Skeeter (Emma Stone), que é uma jovem da alta sociedade mas que trata super bem os criados negros e decide escrever um livro contando as histórias de vida e dificuldades dos mesmos, ou seja, algo totalmente à frente de seu tempo! As empregadas que aceitam relatar suas histórias para Skeeter são Aibileen (Viola Davis) e Minny (Octavia Spencer). Ambas correm risco de descoberta do que está sendo feito secretamente e, caso fosse de fato descoberta a escrita do livro com base nos relatos das duas negras, estas poderiam ser presas! Temos então um bonito ato de coragem e revolução apresentado ao longo do filme.
Skeeter em conversa com as criadas Aibileen e Minny 

   O legal do filme é que ele não fica só nessa história, como também mostra outras tramas dentro da grande trama, como a vida de recém casada com um homem super rico de Celia Foote (Jessica Chastain) que, a primeira vista parece fácil, mas na realidade é algo difícil de manter a casa, a comida e ela mesma arrumadas para o "maridão". Além disso, Celia sofre com o fato de ter perdido mais ou menos quatro bebês enquanto estava casada com o marido, ou seja, ela teve quatro gravidezes interrompidas! Mas nem por isso ela perde o bom-humor e a força de vontade, bem como, a simpatia que é marca registrada da personagem. Paralelo a isso, existe o grupo das "patricinhas", as riquinhas que se reúnem nas tardes para tomar chá e compartilhar inúmeras futilidades. São essas moças as principais responsáveis por maltratar os criados negros. Vou destacar duas delas: Hilly Holbrook, a mais insuportável de todas (risos)! Ela não aceita sair perdendo, não gosta dos negros, faz questão que eles tenham banheiros separados dos demais e é a grande influenciadora destas atitudes para as demais moças da alta sociedade, menos Skeeter, que é totalmente contra Hilly. A outra mulher que não dá a mínima para as negras e nem para sua própria filha é Elizabeth Leefolt, pessoa facilmente influenciável. 
A fútil Hilly 

   Um dos ápices do filme é quando Minny é demetida da casa de Hilly somente pelo fato de utilizar o banheiro da patroa ao invés de usar o banheiro separado para os criados e, no dia seguinte ela faz uma visita para "pedir desculpa" à Hillly, a levando uma torta para demonstrar seu arrependimento. Hilly se esbalda comendo pedaços e mais pedaços da torta, até que descobre que o que tinha dentro da torta eram as fezes de Minny!!! Bem feito para a madame, né? Hahaha 
   Prepare-se para ver um drama muito interessante, com pitadas de comédia! Além disso, fique atento a todos os detalhes, desde o cenário até o figurino, passando pela trilha sonora, efeitos especiais e tudo que se tem direito. A nota que dou para o filme é 1.000! Sério, é muito bom! Vale a pena conferir!
Abraço e boa semana, 
Maria Siry :) 

domingo, 8 de dezembro de 2013

Perfil: Nara Mikaela

 Oi povo! Tudo bom com vocês?
O Perfil de hoje é com uma pessoa que nós duas (Maria e Nat) admiramos muito por fazer seu trabalho com muito esforço e de uma forma bem divertida. Estamos falando de, ninguém mais, ninguém menos que Nara Mikaela Wedekin, a sempre marcante e inesquecível professora de teatro do CA! Confiram os gostos desta artista!
Cena do filme preferido de Nara! 

Nome completo? Nara Mikaela Wedekin 
Qual teu signo? Peixes
Qual teu sonho? 
Encontrar a serenidade
Qual teu pior defeito? 
Sou ansiosa.
E a melhor qualidade? 
Sou boa amiga.
Qual teu filme preferido? 
O Fabuloso mundo de Amelie Poulin.”
E o que menos gosta? 
Não gosto de filmes de ação.
Qual tua estação do ano preferida? Por quê? 
Adoro o verão para ir na praia.
Tens animais de estimação? Quantos? 
Não tenho animais.
Qual é o tipo de música que tu gostas?
Adoro música, minha preferida depende do humor.
Qual comida que tu não gostas?
Não gosto de chuchu e vagem.
Bebida favorita? 
Minha bebida favorita é a que tem meu nome que é suco de maracujá com água de coco e gengibre.
Tens algum ídolo? Qual? Por quê? 
Meu ídolo é Paulo Freire porque acho que ele revolucionou a educação.
Qual tua cor favorita?
Minha cor favorita (atualmente) é verde.
  
  Pois então, pessoal! Gostaram de conhecer um pouquinho mais sobre a Nara? Hoje a noite no Teatrinho da Igrejinha da UFSC ela apresenta, como diretora, o espetáculo "Noite de reis". É às 19h. Vale a pena conferir! 
Um abraço, 
Maria Siry e Nat Magal


sábado, 7 de dezembro de 2013

Ira: um mal dos tempos modernos?

  Oi gente!
  Esse ano, nas aulas de Filosofia, estudamos os 7 Pecados Capitais. Fomos apresentados a diversos textos e vídeos sobre cada um dos pecados e instigados a pensar sobre eles. Aproveitando esse gancho, decidimos criar a série "7 Pecados Capitais", onde, duas vezes por semana, iremos postar um texto falando de algum dos pecados. 
  Para começar, trago para vocês a minha opinião sobre a Ira. Seria ela um mal dos tempos modernos? Dá uma olhadinha: 


                Muitas pessoas relacionam o estresse aos tempos modernos. Outras ainda, dizem que estresse e ira são praticamente a mesma coisa. Seria então a ira um mal dos tempos modernos?
Lúcio Aneu Sêneca
                Creio que não! Desde os nossos ancestrais hominídeos começarem a conviver em sociedade, o estresse passou a ser parte de seu dia-a-dia, porque por mais que muita gente tente negar, conviver em sociedade é estressante sim. E o que seria a ira, se não a junção, ou até mesmo o resultado do estresse, do ódio, da amargura e da decepção?
                Um antigo intelectual do Império Romano conhecido como Sêneca (c. 4 a.C. - 65 d.C.), afirmou que não ser tão otimista, pôr uma dose de pessimismo em nossas expectativas, diminuem as decepções, logo, diminuem a ira. Concordo com ele, mas também é bem verdade que ter que suportar todos os dias um chefe exigente, um trânsito caótico, pessoas com as quais não se dá bem mas é obrigado a conviver todos os dias (seja no ambiente escolar, laboral, etc.) atiçam a ira.
                É claro que varia muito de pessoa para pessoa,algumas estão mais propensas a sentirem raiva por motivos aparentemente pequenos, mas aí entra a história das personalidades, cada pessoa canaliza suas frustrações de um jeito. Pessoas com comportamentos mais agressivos tendem mais a ter ira; as mais melancólicas, são as reféns da inveja; etc.

                Concluo, por fim, algo que todos já sabem: a ira em excesso faz mal, porém, doses diárias de "realidade" previnem um comportamento infantil e fantasioso e uma "queda muito alta do cavalo" no futuro. 


E então, gostaram da nossa proposta? A qualquer momento damos as caras por aqui
outra vez para falar sobre algum outro pecado.


Até breve,
Nat Magal